Dia #10 da campanha Está em suas mãos – ReHuNa nos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulheres

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Ao longo dos últimos dias, em nossa campanha dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulheres, a ReHuNa com a parceria de médicos, doula e obstetriz que são referências no movimento pela humanização de partos e nascimentos, trouxe indicações reais de cesárea, listou quem ganha e quem perde com cesáreas desnecessárias e quais as consequências disso para as mulheres (e seus bebês), além de refletir sobre o porquê tantas cesáreas acontecerem sem necessidade. Também trouxemos e traremos mais relatos de mulheres que trouxeram seus bebês ao mundo com assistência humanizada.

Nós sabemos que a violência na atenção obstétrica faz parte da cultura brasileira na assistência a gestantes, parturientes e seus bebês. Nós entendemos que muitas vezes a escolha pela cesárea é feita guiada pelo medo da violência e do sofrimento. Mas nós também sabemos que quando a mulher está bem informada, ela faz escolhas que beneficiam tanto ela quanto o bebê. E sabemos que quando uma mulher é acompanhada por profissionais humanizados e atualizados em sua prática, ela tem uma experiência positiva do parto, eliminando o sofrimento da equação.

O ano de 2019 está sendo marcado pelo avanço de corporações médicas se posicionando contra o livre arbítrio das mulheres grávidas, sobre como e onde elas irão parir e quem irá assistir seus partos. Ao mesmo tempo, projetos de lei se espalham pelo país para permitir que mulheres grávidas demandem cesáreas, sem indicação médica, no SUS, a partir de 39 semanas de gestação.
Diante do atual cenário na assistência obstétrica brasileira e tendo feito a reflexão que trouxemos nos últimos dias, acreditamos estar claro que o número cesáreas desnecessárias aumentará se tais proposituras forem aprovadas, trazendo grande ônus às mulheres, seus bebês e suas famílias.

Leia nossa petição http://chng.it/hQ8zfhmh
Assine. Compartilhe.
Use a hastag #EstáEmSuasMãos e esteja conosco no ativismo pela humanização de partos e nascimentos.

Realização: ReHuNa
Apoio: ECOS UnB e Rádio Web Saúde UnB

View this post on Instagram

Ao longo dos últimos dias, em nossa campanha dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulheres, a ReHuNa com a parceria de médicos, doula e obstetriz que são referências no movimento pela humanização de partos e nascimentos, trouxe indicações reais de cesárea, listou quem ganha e quem perde com cesáreas desnecessárias e quais as consequências disso para as mulheres (e seus bebês), além de refletir sobre o porquê tantas cesáreas acontecerem sem necessidade. Também trouxemos e traremos mais relatos de mulheres que trouxeram seus bebês ao mundo com assistência humanizada. Nós sabemos que a violência na atenção obstétrica faz parte da cultura brasileira na assistência a gestantes, parturientes e seus bebês. Nós entendemos que muitas vezes a escolha pela cesárea é feita guiada pelo medo da violência e do sofrimento. Mas nós também sabemos que quando a mulher está bem informada, ela faz escolhas que beneficiam tanto ela quanto o bebê. E sabemos que quando uma mulher é acompanhada por profissionais humanizados e atualizados em sua prática, ela tem uma experiência positiva do parto, eliminando o sofrimento da equação. O ano de 2019 está sendo marcado pelo avanço de corporações médicas se posicionando contra o livre arbítrio das mulheres grávidas, sobre como e onde elas irão parir e quem irá assistir seus partos. Ao mesmo tempo, projetos de lei se espalham pelo país para permitir que mulheres grávidas demandem cesáreas, sem indicação médica, no SUS, a partir de 39 semanas de gestação. Diante do atual cenário na assistência obstétrica brasileira e tendo feito a reflexão que trouxemos nos últimos dias, acreditamos estar claro que o número cesáreas desnecessárias aumentará se tais proposituras forem aprovadas, trazendo grande ônus às mulheres, seus bebês e suas famílias. Leia nossa petição (link no perfil). Assine. Compartilhe. Use a hastag #EstáEmSuasMãos e esteja conosco no ativismo pela humanização de partos e nascimentos. Realização: ReHuNa Apoio: ECOS UnB e Rádio Web Saúde UnB #estáemsuasmãos #desnecesareanao #16diaspelofimdaviolênciacontramulheres #rehuna #cesareadesnecessaria #violencianaatencaoobstetrica #partodomiciliar #partohumanizado

A post shared by ReHuNa (@rehunabrasil) on

Leia Também