Sars-cov-2 e Covid-19 - Artigos científicos: Atenção à Mulher

Gravidez, nascimento e a pandemia de COVID-19 nos Estados Unidos

Acesse o original (em inglês)

Pregnancy, Birth and the COVID-19 Pandemic in the United States

Published online: 14 May 2020

How quickly and in what ways are US maternity care practices changing due to the COVID-19 pandemic? Our data indicate that partners and doulas are being excluded from birthing rooms leaving mothers unsupported, while providers face lack of protective equipment and unclear guidelines. We investigate rapidly shifting protocols for in- and out-of-hospital births and the decision making behind them. We ask, will COVID-19 cause women, families, and providers to look at birthing in a different light? And will this pandemic offer a testing ground for future policy changes to generate effective maternity care amidst pandemics and other types of disasters?

COVID-19: Atenção às Gestantes

 

Leia no site Original

Nota Técnica Nº 12/2020-COSMU/CGCIVI/DAPES/SAPS/MS – Infecção COVID-19 e os riscos às mulheres no ciclo gravídico-puerperal
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação-Geral de Ciclos da Vida. Coordenação da Saúde da Mulher. Nota Técnica Nº 12/2020-COSMU/CGCIVI/DAPES/SAPS/M.  Infecção COVID-19 e os riscos às mulheres no ciclo gravídico-puerperal. Abr. 2020

Cique aqui

Coronavírus: grávidas e puérperas na pandemia

Grávidas e puérperas são grupo de risco 
Leia a Matéria Original

Muitos questionamentos e emoções envolvem a chegada de uma nova vida. Do descobrimento da gravidez até o momento do parto, as incertezas e a insegurança mexem com a cabeça de mães e pais. O período após o nascimento do bebê também não é diferente. Nos últimos meses, uma nova preocupação entrou na lista: o coronavírus.

Em nota à imprensa, o Ministério da Saúde informou sobre uma mudança de protocolo que inclui grávidas e puérperas no grupo de risco para a COVID-19. Esse novo status exige maior atenção nos cuidados individuais e coletivos, já que essas mulheres podem apresentar casos mais graves da doença. Marcus Renato de Carvalho, professor da Faculdade de Medicina da UFRJ e pediatra, afirma que o momento deve ser de observação e cuidados. “É importante que elas tomem ainda mais precauções para se proteger e relatem possíveis sintomas para seus provedores de cuidados de saúde”, disse, completando que o distanciamento também é uma das formas de proteção para as gestantes.

Estas são algumas das indicações para esse público: trabalho remoto ou  afastamento, principalmente para trabalhadoras da saúde; apenas consultas e exames essenciais do pré-natal, com utilização da teleconsulta sempre que possível; ausência de visitas durante a gestação e o pós-parto; atenção redobrada à higiene dos cuidadores da mulher e do bebê.

O momento do parto também exige cuidados redobrados. Procedimentos dispensáveis, como cesáreas eletivas e indução desnecessária, devem ser evitados para que a parturiente não precise ficar mais tempo no hospital. Carvalho afirma que é preciso avaliar a presença do acompanhante, que não deve apresentar sintomas nem ser dos grupos de risco, minimizando assim as chances de infecção. “Mas isso não quer dizer que a presença do acompanhante deve ser negada”, ressalta.

Aleitamento é necessário

Não há nenhuma evidência científica que aponte o leite materno como uma possível fonte de transmissão da doença. O professor reitera que a orientação do MS é de que a amamentação não deve ser suspensa em casos de a mãe ter a suspeita de infecção pelo novo coronavírus, mas que é preciso seguir um protocolo de cuidados mais rígido. O uso de máscara é indispensável nesses casos, assim como a higienização das mãos antes e depois do aleitamento.

“Salvo alguma intercorrência que exija a separação do binômio, como, por exemplo, o agravamento das condições de saúde maternas, é perfeitamente possível que mãe e filho permaneçam em sistema de alojamento conjunto na maternidade até a alta hospitalar”, explica.

Isolamento não é abandono

Um dos momentos mais delicados para uma nova família é o puerpério. Conhecido como “blues puerperal”, o período que se segue ao parto é, muitas vezes, solitário. Segundo Carvalho, alguns casos podem ser o início de um quadro de depressão pós-parto. “O apoio da família e a participação do companheiro ou companheira são essenciais para que a mulher sinta-se segura nesse momento”.

A rede de apoio, essencial nessa fase, precisa continuar dando suporte à nova família, e as novas tecnologias podem ajudar, seja por vídeo, ligações ou mensagens. “E, também, não deve ser abandonada pelo obstetra, pediatra, enfermeira obstetra, doula, psicóloga ou alguém da equipe perinatal com quem ela tenha feito uma melhor conexão ou vínculo afetivo”, declara.

O professor lembra também que, mais do que nunca, os pais precisam assumir seus papéis na criação dos filhos, valendo-se de suas licenças-paternidades e antecipação de férias para dividirem as tarefas de maneira justa, cuidando dos afazeres domésticos, do bebê e, claro, da mãe.

 

É preciso garantir os direitos das mães em privação de liberdade durante a pandemia

Leia o post original

 

Diante da atual situação de emergência gerada pela proliferação do coronavírus (COVID-19) no Brasil, é necessário o reconhecimento que todas pessoas em cumprimento de medidas socioeducativas e no sistema penitenciário estão em situação alarmante de risco e devem ser protegidas, em especial, lactantes, gestantes ou mães de crianças de até 12 anos ou pessoas com deficiência.

Em razão disso, no dia 24 de março, o Instituto Alana, por meio do programa Prioridade Absoluta, enviou manifestação ao Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do habeas corpus coletivo nº143.641 que, em fevereiro de 2018, reconheceu o direito à prisão domiciliar de mulheres em privação provisória de liberdade e adolescentes do sistema socioeducativo que estejam gestantes, lactantes ou tenham filhos com até 12 anos ou com deficiência.

Para Mayara Silva de Souza, advogada do Prioridade Absoluta, essa população está dentro do grupo mais vulnerável à pandemia, portanto “é fundamental que o poder público e o Sistema de Justiça estabeleçam medidas de proteção à saúde e à vida, especialmente de adolescentes que estão em restrição e privação de liberdade no sistema socioeducativo”.

Assim, a manifestação pede o cumprimento do habeas corpus coletivo; a suspensão provisória de novas aplicações de medidas em meio fechado ou aberto às adolescentes gestantes, lactantes, mães ou responsáveis por criança de até doze anos de idade ou por pessoa com deficiência; e a suspensão provisória das medidas em meio fechado e aberto para adolescentes portadores de doenças pré-existentes e, portanto, mais suscetíveis aos impactos do coronavírus.

 

Documentos relacionados

24.03.2020 – HC 143.641: Manifestação em razão da pandemia de coronoavírus