Coronavírus: hospitais do NHS são acusados de usar a crise como motivo para negar cesáreas às mulheres

Exclusive: ‘We are concerned that in some places coronavirus is being used as an excuse to dictate to women how they should give birth,’ says human rights charity

Do Independent (em inglês)

 

Official guidance from the National Institute for Health and Care Excellence says women should be offered a caesarean section where they insist it is what they want
Official guidance from the National Institute for Health and Care Excellence says women should be offered a caesarean section where they insist it is what they want ( AFP via Getty Images )

Hospitals have been refusing requests for caesarean sections during the Covid-19 outbreak despite official guidance and NHS England advice that they should go ahead.

Multiple NHS trusts have told women preparing to give birth since March that requests for a caesarean section will not be granted due to the viral pandemic.

It has led to accusations from the charity Birthrights that the coronavirus outbreak is being used as an excuse to promote an ideology that more women should have a natural birth.

During the coronavirus crisis some women have been forced to give birth alone due to bans on partners attending hospital. Hospitals changed their policy after new visiting rules were released.

Maria Booker, from Birthrights, told The Independent: “We continue to be contacted by women being told they cannot have a maternal request caesarean and we are concerned that in some places coronavirus is being used as an excuse to dictate to women how they should give birth, which contravenes Nice [the National Institute for Health and Care Excellence] guidance.

“Women don’t choose caesarean births lightly. In the last few weeks we have been contacted by women who have heart conditions, pelvic issues, mental health conditions, and who have previously lost a baby who have all been denied caesareans.”

Official guidance from Nice says women should be offered a caesarean section where they insist it is what they want.

NHS England has warned hospitals they need to “make every effort” to avoid cancelling caesarean sections and work with neighbouring trusts to transfer women if necessary.

It said surgery should only be suspended in “extreme circumstances” where there is a shortage of obstetricians or anaesthetists.

In the UK, around one in four of all births are caesareans, including both emergency and pre-planned operations.

At Milton Keynes University Hospital a policy document seen by The Independent said requests for caesarean sections would be refused.

The standard operating procedure document, dated April, said: “Women should be advised that during the Covid period, the directorate has taken the decision not to offer elective caesarean sections for maternal request.”

It added: “It has also been agreed that when the surgeon confirms the consent for caesarean sections pre-op, they will specifically advise the women of the risks of caesarean section and women will be encouraged not to have a caesarean section for maternal request.”

In a letter to mothers at the start of the outbreak The Princess Alexandra Hospital, in Essex, warned all cases, including those already booked for a caesarean section, would be reviewed.

It added: “Unless there is a medical reason for the caesarean, please be aware that the caesarean will not be able to go ahead.”

Sharon McNally, director of nursing at the trust, said that since this letter was issued the demands on the NHS had been less than expected, adding: “We are pleased that we have subsequently not needed to cancel any elective c-sections ⁠– all C-sections have and continue to go ahead as planned.”

At Oxford University Hospitals Trust, women have routinely been referred to other hospitals when requesting C-sections, but during the coronavirus outbreak this has not been possible. The trust refused to say whether it had denied C-sections to women in recent weeks.

Pauline Hull, editor of the website Caesarean Birth, said she was contacted by a woman who had been denied a C-section by the Milton Keynes hospital.

She said: “There is no evidence that the risk for women or babies having a planned caesarean during Covid-19 is increased compared with other birth plans.

“I am aware of other women who are being told their maternal request caesarean will not be supported, at other trusts, and so I suspect there may be other policies in England like the one at Milton Keynes.”

Maria Booker added the Milton Keynes University Hospital NHS Trust had told Birthrights all the hospitals in its local maternity system, including Luton and Bedfordshire, had stopped maternal request C-sections due to perceived higher risks.

She said: “If there are increased risks, it is the duty of the trust to explain these to the pregnant woman so they can make an informed choice. Caesareans should only be withdrawn in the dire circumstances of the trust, and wider region, having insufficient capacity to provide them.”

A spokesperson for the Milton Keynes hospital said: “We carefully reviewed and adapted our procedures around maternal requests for caesarean section as a result of Covid-19, and the increased risks associated with operative delivery during the pandemic.

“We have continued to honour all maternal requests for caesareans made prior to this change in policy, where medically possible, and continue to consider requests where there is either a medical or psychological reason to have a caesarean section.”

The statement added restrictions may be lifted as the trust emerged from the coronavirus crisis.

Catherine Greenwood, clinical director of maternity at Oxford University Hospitals, said requests were considered on an individual basis and “in usual times, if no clinical indication is found, then a woman would be referred to an obstetrician at a neighbouring trust who is happy to support these requests. This is in line with Nice guidance.

“However, at the present time, all hospitals are under considerable pressure. For this reason, the referrals for caesarean section for women who have no pregnancy complications are not always accepted by our partner organisations in the way that they usually are. We very much hope to be able to reinstate the usual pathway as soon as possible.”

 

“Uso precoce” é gambiarra para salvar mito da hidroxicloroquina

Publicado originalmente no site Questão de Ciência

vírus em tela azul

À medida que a evidência científica de que o uso de hidroxicloroquina (HCQ), com ou sem o antibiótico azitromicina (AZ), no combate à COVID-19 em pacientes hospitalizados é, na melhor das hipóteses, inútil – quando não perigoso –, os apóstolos fervorosos da cura mágica abraçam, com gosto, uma manobra clássica do repertório das pseudociências: mudam de alegação, adotando uma que confunde com mais facilidade. No caso, a de que a combinação HCQ+AZ funciona sim, mas requer uso precoce, “bem no início dos sintomas”, antes que se faça qualquer exame diagnóstico.

O recuo é maroto por uma série de motivos, alguns dos quais estão entre os que tornam inválido o suposto “estudo” conduzido pelo grupo Prevent Senior sobre o assunto. Vamos citar apenas dois, para não esticar muito a conversa.

Primeiro, se você não tem diagnóstico fechado, você não sabe o que está tratando – ainda mais no caso de uma doença como COVID-19, cujos sintomas iniciais confundem-se facilmente com gripes, resfriados, infecções de garganta ou alergias. Logo, não é correto afirmar, caso os sintomas desapareçam após o uso do medicamento, que foi o “uso precoce de HCQ” que curou a COVID-19. Ninguém sabe nem se era mesmo COVID-19!

Segundo, sintomas de gripes, resfriados, alergias, e da própria COVID-19, tendem a desaparecer por conta própria na maioria das vezes. Atribuir o alívio à HCQ tem tanta lógica quanto atribuí-lo ao café da manhã ou à música que tocou no rádio meia hora antes do último espirro. Sem estudos observacionais bem conduzidos, é impossível determinar quais medidas ou comportamentos poderiam, de fato, ter afetado o resultado; sem estudos clínicos bem controlados, é impossível determinar, entre os candidatos, qual (ou quais) realmente foram importantes.

Resumindo: o uso precoce, logo aos primeiros sintomas e na ausência de diagnóstico, é a receita ótima para dar a impressão de que o remédio funciona, mesmo que ele não sirva para nada. Não apenas cidadãos comuns, mas também médicos dedicados podem cair nessa.

A promoção do uso “precoce” vem circulando de diversas formas nas redes sociais. Consta, por exemplo, de uma lista de recomendações de automedicação (que, como de costume, vem acompanhada de um alerta cínico sobre os perigos da automedicação) que circula no Facebook sob o nome de “Protocolo de Marselha”.

Pelo menos uma das postagens a que tivemos acesso já havia sido compartilhada, entre 5 e dez de maio, mais de uma centena de vezes. “Marselha”, claro, é o nome da cidade francesa em que atua o pesquisador francês Didier Raoult, de péssima reputação, que numa série de artigos científicos de qualidade abissal teria demonstrado a eficácia da combinação HCQ+AZ contra o novo coronavírus.

 

Células

Tenta-se encontrar uma justificativa teórica para o uso precoce da HCQ com base nas supostas atividades antivirais desse fármaco. A tese é de que, usando o medicamento logo após o aparecimento dos primeiros sintomas, ou de forma profilática, seria possível impedir a replicação do vírus, levando a uma resolução rápida da doença.

Ainda não existe um estudo completo, bem conduzido, sobre os efeitos da HCQ, ou HCQ+AZ, em pacientes de COVID-19 cujos sintomas ainda são recentes. Mas já há diversas linhas de pesquisa bem desenvolvidas que sugerem, fortemente, que assim como no caso dos pacientes hospitalizados, o tratamento é inútil, se não perigoso.

O caminho normal de um medicamento começa na bancada do laboratório, com cultura de células, o que chamamos de etapa “in vitro”. Antivirais começam a ser testados aqui, geralmente em células comuns e fáceis de cultivar, chamadas VERO, originárias de rins de macacos. Há estudos que mostram a HCQ funcionando bem nesta fase para uma série de viroses, incluindo COVID-19. O problema é que ela fracassou em todas as etapas seguintes.

Um grupo de cientistas franceses, incluindo membros da Inserm, um órgão público de fomento à pesquisa biomédica e de saúde pública, publicou recentemente um estudo que testou a HCQ contra COVID-19 em células específicas do sistema respiratório, aquelas que o vírus SARS-CoV-2 realmente ataca, e não mais células genéricas. Nas células específicas, o efeito antiviral desapareceu.

Para quem acompanha a literatura, isso não é surpresa. Sabemos que o mecanismo de entrada do vírus em células VERO é diferente do usado para penetrar as células-alvo, do trato respiratório. Nas células VERO, o único caminho para o vírus é uma via dependente da acidez do meio, chamada via de endossomo. Aqui, a HCQ, ao alterar o nível de acidez, bloqueia o vírus. Já nas células do sistema respiratório existe uma entrada que é independente desse fator. Essa segunda via, inclusive, é descrita como a responsável pela maior severidade da doença.

Mesmo falhando na cultura de células, seguiu-se para testes em macacos. Os animais foram inoculados com o vírus SARS-CoV-2 e desenvolveram sintomas da doença. Os autores testaram a HCQ, em combinação ou não com azitromicina (o tal “Protocolo de Marselha”), e compararam seu efeito ao de um placebo. Utilizaram regimes de doses diferentes, fizeram a intervenção de forma profilática, e também no início do pico viral; logo após o pico viral; e ainda, após o aparecimento de sintomas graves. Ou seja, cobriram todas as fases da doença.

O resultado, infelizmente, foi desfavorável para a HCQ. Não foram observados redução de sintomas ou da quantidade de vírus no corpo dos animais em nenhum momento, nem com uso profilático, nem com uso precoce. Os autores concluem que a HCQ não deve ser usada como um antiviral para COVID-19.

 

Lúpus e artrite

Outra alegação feita pelos proponentes do “Protocolo de Marselha” – e que seria, assim como o efeito antiviral em células VERO, parte da lógica por trás do uso da HCQ contra a COVID-19 – é de que pacientes com lúpus ou artrite reumatoide, que usam HCQ rotineiramente para controlar essas doenças autoimunes, estariam protegidos da COVID-19, ou não evoluem para casos graves da doença. Mas essa afirmação é falsa.

A Aliança Global de Reumatismo reuniu dados sobre pacientes em tratamento com HCQ que foram acometidos por COVID-19. O estudo identificou cerca de 200 pacientes com lúpus e artrite reumatoide nessas condições, alguns dos quais se tratavam normalmente com HCQ, e outros que não.

A taxa de hospitalização foi a mesma entre os que usavam e não usavam HCQ. O uso de ventilação e necessidade de intubação também foram equivalentes nos dois grupos, mostrando que o uso constante de HCQ não protegeu esses pacientes, nem impediu que evoluíssem para forma grave da doença.

Um argumento possível é de que a dose habitual, usada por pacientes de doenças autoimunes, não seria suficiente para atingir o efeito antiviral observado “in vitro” (e, vamos lembrar, só em células genéricas, não no tipo de célula que o vírus realmente ataca). Mas nem no trabalho feito em animais, onde foram testadas concentrações crescentes, houve algum efeito. O que se viu nos macacos foi danos nos rins e no fígado.

Frente a novas evidências, o bom cientista altera suas convicções e atitude. O pseudocientista, no entanto, cria distrações e inventa desculpas. Quando saíram os primeiros trabalhos com resultado negativo, culparam a falta de azitromicina; depois, o erro estava na dosagem. Agora, o crucial mesmo é o momento de usar. Qual será a próxima?

 

Natalia Pasternak é pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, presidente do Instituto Questão de Ciência e coautora do livro “Ciência no Cotidiano” (Editora Contexto)

Carlos Orsi é jornalista e editor-chefe da Revista Questão de Ciência e e coautor do livro “Ciência no Cotidiano” (Editora Contexto)

UNFPA lança Podcast 2 – Gravidez e direitos reprodutivos em tempos de pandemia

O Fundo de População da ONU disponibilizou nas principais plataformas de streaming o segundo episódio do podcast “Fala, UNFPA”: Gravidez e direitos reprodutivos em tempos de pandemia.

Nesse episódio, são discutidos os direitos reprodutivos e como garanti-los em momentos de emergência, como a pandemia da COVID-19. Uma das convidadas do episódio é a oficial em Saúde Sexual e Reprodutiva do Fundo de População da ONU, Anna Cunha, que explica o que são os direitos reprodutivos e como serviços de saúde, governos e sociedades precisam estar preparados para garantir a saúde reprodutiva, materna e neonatal durante a pandemia.

A doula Gabriela Falcão, de Brasília, relata como está sendo sua experiência ao enfrentar a terceira gravidez durante a COVID-19. Também participa do episódio, a obstetriz Glauce Soares do colegiado da ReHuNa, que trabalha em uma maternidade pública de Osasco, na grande São Paulo, e tira dúvidas relacionadas a gravidez e parto nesse período.

Acesse:

Anchor
Breaker
Google Podcasts
Apple Podcasts
Overcast
Pocket Casts
RadioPublic
Spotify

www.unfpa.org.br

Bebês em excesso: a tragédia da indústria da ‘barriga de aluguel’ durante a COVID-19

Agência de maternidade por substituíção da Ucrânia tem bebês que não serão buscados por seus pais biológicos.

Da 4w (em inglês)

 

BioTexCom is a Ukraine-based agency specializing in “human reproduction”, according to their website. The company is a favorite agency among Spanish parents who wish to have a biological child but have fertility issues.

A Twitter user has posted a grim account of their business practices, with pictures of several babies in a nursery, in what looks like a hospital setting. The tweet, by user @gmm223, was made at the end of March and went viral. It was shared thousands of times on the social media platform after the newspaper Publico published a news piece about some of the measures taken by Ukraine to repatriate citizens stranded in Spain.

The human reproduction center claims to offer, among other means of assistance in reproduction, surrogacy to those who can pay for it. Surrogacy is illegal in Spain, which causes families to seek women to exploit in other countries.

But in 2020, the world is facing a pandemic. Ukraine, like many other countries, closed its borders and put the country in lockdown to try and stop the spread of COVID-19.

In the middle of the chaos, would-be parents who hired a surrogate to have a baby were left with no way of traveling to Ukraine to collect the child. In an update on the agency’s website, there is a lengthy and detailed account of the current situation, showing pictures of the newborn children who are awaiting to be picked up by their biological parents. The children are born stateless, stored in hotels and private homes with no official legal guardian.

BioTexCom, which charges about $50,000 per baby, has previously been implicated in a series of scandals including human trafficking. The surrogacy industry in Ukraine has so little oversight that experts have claimed, “it’s as if there were no regulations at all.”

Publico reports that Ukraine set up a few flights from Spain to bring back Ukraine nationals. Some of these flights will be used by Spanish citizens to go to Ukraine and collect some of the babies. But not all of them will be collected, and many will remain in Ukraine in hotels or private homes with paid babysitters.

The update on BioTexCom website also reveals that the costs of maintaining a child in the center has been reduced from 50 euros to 25, supposedly to help those parents who might have lost or had their livelihoods reduced due to the closing of non-essential businesses during confinement. Other measures the center has taken are the possibility of signing contracts online. There also seems to be a “standard” contract in which parents send 90 euros for clothing for the baby.

But despite the clinic being on quarantine, they assure their customers and prospective clients that business is open as usual, which begs the question: how are they working in quarantine with surrogates? What are the social distancing measures and other medical requirements being taken to ensure those women are being protected from COVID-19?

There’s also the matter of the babies themselves, who are being kept by nurses and midwives. According to the information available on the BioTexCom website, there are 46 babies there who could not be collected so far because the parents could not travel to Ukraine.

The women who gestated and gave birth to them, besides all the risks they faced to have them, are now facing two different fates: either they will not receive the money promised for this “service” and will have to choose to leave the child in foster care, or they will be raising a child who was not planned for themselves. Either way, it’s a grim outcome for women who largely turned to the industry out of financial desperation.

The women’s rights movement has been warning the world about the “womb rental” market for some time now, and it seems that the worst fears of many feminists have materialized. Commercial surrogacy is an example of women’s exploitation that has been overlooked by many governments around the world, or ignored as a non-issue. Many politicians seem to still believe that having a biological child is just another human right, and many places are legalizing this practice, like the UK has, very recently.

But a closer look into what really happens when surrogacy is legalized or allowed reveals a darker side to the story. Women who became surrogates have died while gestating a child for other parents. In some places, the “baby factories” have been known to kidnap women and take them hostage for months for the IVF procedure, forcibly keeping the pregnant women in their premises until they give birth. Some accounts have revealed that, in the crudest “businesses”, women are raped until they get pregnant. Many of them are also forced to breastfeed the babies for months until the children can be collected by the biological parents.

Julie Bindel, a prominent British radical feminist and journalist, has been writing about surrogacy for decades. In her latest piece for Unherd this year, she talks about the many places she visited over the years, talking to the staff of “baby factories” in India, where women told her, first hand, how they were detained together and only had something to drink or eat when their captors allowed them to.

She also explains that it doesn’t matter where womb rental is legalized – the women caught up short of money who offer their wombs for surrogacy are dehumanized, like the American woman she talked to, who wanted to start her own business and saw an advertisement on the internet. The mother of two later recalled the horrors of the process, when she was implanted with two fertilized eggs without her knowledge, for a better chance of getting pregnant, and ended up with twins, one of which she was told she had to terminate because the biological parents only wanted one child.

In the case of this Ukrainian agency, there is also an increasing risk that many clients will not ever come to collect their child. The foreign parents, unable to travel to Ukraine now may refuse to collect the child after they are months old, claiming they are “older” than they had desired – and paid for. This is one of the “benefits” of womb rental: not only to ensure a biological child, but also to have a newborn baby, which has been an issue to foster agencies for many years now. Research has shown that prospective adoptive parents have a preference for young babies (among other traits, such as skin color) and that older children are usually hard to place as many people fear getting a child who might be “psychologically challenging”.

BioTexCom claims to guarantee the safety of the babies born in the center with a team of babysitters with “a medical education”. Publico reports that the staff have been in lockdown with the babies for 30 days, unable to see their own families.

Although BioTexCom claims to be ensuring the rights of babies born “for foreign couples in Ukraine”, this is resulting in a lack of oversight. The reality is that these babies were born to Ukrainian women in Ukraine, but a gap in the law is allowing BioTExCom to get away with their unethical practices. The children born in confinement had not been “released” from hospital, therefore they don’t need to be registered. That made them children without a country.

As in many other areas of our society, the pandemic has exposed a deeply flawed system⁠—one where both women and children are treated as nothing more than objects for consumption.⁠

Licensed under CC By-SA 4.0, Andreia Nobre


Prefeitura de SP libera gestantes e pacientes em tratamento de doenças graves do rodízio

Decreto municipal já isentava motos, táxis, profissionais de saúde, setor de abastecimento e veículos de imprensa, mediante cadastro. As grávidas e doentes em tratamento também precisam solicitar a isenção pelos canais eletrônicos criados pela prefeitura.

Do G1 SP

 


Rodízio de veículos com regras mais rígidas começou na segunda (11) em São Paulo. — Foto: Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Rodízio de veículos com regras mais rígidas começou na segunda (11) em São Paulo. — Foto: Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo

A Prefeitura de São Paulo ampliou nesta quinta-feira (14) para grávidas e pacientes em tratamento de doenças graves a isenção do esquema de rodízio ampliado emergencial, implementado como medida de combate ao coronavírus na capital paulista.

O decreto que ampliou e restringiu ainda mais o rodízio já isentava motos, táxis, profissionais de saúde, o setor de abastecimento de energia, água e gás, e veículos de imprensa mediante cadastro (leia mais abaixo). A multa é de R$ 130 para quem desrespeitar a regra, além da perda de quatro pontos na CNH.

A gestão Bruno Covas (PSDB) considerou que grávidas e pacientes em tratamento de doenças graves também necessitam de constante descolamento para chegar a consultas e procedimentos médicos, e os incluiu nas isenções.

A alteração do decreto do rodízio emergencial, publicada nesta quinta no Diário Oficial, também inclui:

  • veículos que realizam os serviços públicos de limpeza urbana;
  • veículos que realizam segurança privada e escolta autorizados pela Polícia Federal;
  • veículos de manutenção de equipamentos utilizados em atividades essenciais;
  • veículos para atendimento de emergência comprovada.

Apesar de alguns usuários relatarem problemas para pedir isenção do rodízio especial, a Prefeitura diz que a solicitação de isenção continua sendo feita pelo e-mail [email protected], acessando o Portal SP 156 ou pelo site criado pela CET para esses cadastros. As grávidas e doentes em tratamento também precisam se inscrever por esses canais.

Cidade de SP tem terceiro dia de rodízio de carros, mas taxa de isolamento cai
Cidade de SP tem terceiro dia de rodízio de carros, mas taxa de isolamento cai

O Departamento de Operação do Sistema Viária (DSV) esclarece que as novas isenções se restringem aos veículos utilizados nas atividades essenciais, e não inclui os carros particulares dos trabalhadores.

O decreto também destaca que quem considerar que deve recorrer de uma autuação, como condutores que necessitaram se deslocar para uma emergência, podem recorrer da multa pelas vias de defesa já existentes, indicadas quando do recebimento da notificação de autuação. pode fazer a defesa on-line ou pelos Correios, como já ocorria antes da pandemia.

Rodízio mais restritivo

Desde segunda-feira (11), a Prefeitura de São Paulo limitou a circulação de carros na cidade por meio de um esquema de rodízio ampliado e mais restritivo. Em coletiva de imprensa, Bruno Covas disse que o objetivo é ampliar o isolamento social e “evitar ter que decretar lockdown”.

Carros com placas de final par só podem rodar em dias da semana pares, e veículos com final ímpar, nos dias ímpares. A medida vale para toda a cidade, não apenas o centro expandido, durante as 24 horas do dia, inclusive aos sábados e domingos.

O rodízio ampliado resultou em redução do número de carros e congestionamento próximo de zero, mas a taxa de isolamento social na capital registrou queda e se mantém em 48% de adesão. Depois de pedir 70% de isolamento, o governo municipal espera ao menos alcançar entre 55% a 60%.

Veja abaixo quem também é isento do rodízio:

  • transportes coletivos e de lotação, devidamente autorizados a operar o serviço;
  • guinchos, devidamente autorizados a operar o serviço;
  • veículos destinados a socorro de incêndio e salvamento,
  • veículos de polícia, fiscalização, operação de trânsito e ambulâncias, devidamente identificados.

Veículos utilizados em serviços públicos essenciais das áreas:

  • Defesa Civil;
  • Forças Armadas;
  • fiscalização e operação de transporte de passageiros;
  • funerários;
  • penitenciários;
  • dos Conselhos Tutelares;
  • assistência social
  • do Poder Judiciário.

Outros serviços públicos:

  • veículos utilizados no transporte de materiais necessários a campanhas públicas e na prestação de serviço social;
  • veículos utilizados na segurança do transporte ferroviário e metroviário, bem como os destinados à manutenção de emergência desses sistemas, devidamente identificados;
  • veículos de empresas públicas para atendimento de emergências químicas devidamente identificados.

Veículos particulares pertencentes a:

  • servidores que exerçam atividade de segurança pública e fiscalização administrativa;
  • servidores e contratados do serviço funerário e da assistência social.