Dia #12 da campanha Está em suas mãos – ReHuNa nos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulheres

Filomena sabia exatamente como queria que fosse sua experiência de trazer sua filha ao mundo. Buscando uma experiência positiva e amorosa de parto, ela e seu marido decidiram ser acompanhados por uma equipe humanizada.

Os motivos e benefícios que ela experienciou ao ter assistência de uma equipe humanizada são:

1 – encarar o parto e o nascimento como algo positivo

2 – possibilidade de parir onde se sentia mais segura e a vontade.

3 – garantir que seu parto e o nascimento de sua filha seriam experiências amorosas

4 – confiança na doula no cuidado e nas informações recebidas

5 – liberdade de movimento e escolha de posições

6 – respeito ao desenvolvimento do trabalho de parto

7 – receber a bebê em seu colo logo após o nascimento e a amentar imediatamente

8 – ter a possibilidade de estar acompanhada de quem ela queria que estivesse presente

9 – estar com seu marido durante todo o tempo, durante o trabalho de parto e ter sido ele quem recebeu sua filha quando a bebê nasceu

10 – recuperação rápida após o parto

Depoismento: Filomena de Oliveira (Saraswati)
Realização: ReHuNa
Apoio: ECOS UnB e Rádio Web Saúde UnB

Estamos nos aproximando do fim dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulheres e para concluir essa campanha a ReHuNa realizará uma roda de conversa com o tema “A assistência humanizada como alternativa às cesáreas desnecessárias”

Estarão presentes:

Daphne Rattner (ReHuNa)
Érica de Paula
Marilda de Castro (ADDF)
Ana Cyntia Baraldi (Luz de Candeeiro)
Ruth Rodrigues (Nascer Direito)
Adèle Valarine (Rede Ocitocina)
Luis Otávio Manes Pereira (IBGO DF)
Magali Mello (Ishtar DF)
E mais…

O evento será aberto ao público e acontecerá dia 10/12/2019 das 15 às 17 horas
Sala de reuniões 04 na Faculdade de Ciências da Saúde
UnB – Campus Darcy Ribeiro

Você já assinou nossa petição? http://chng.it/zTqNfxxY

Dia #8 da campanha Está em suas mãos – ReHuNa nos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulheres

Parto humanizado, por que?

Diana sofreu inúmeras violências durante o parto de sua primeira filha. Essa vivência traumática a fez buscar informações para seu segundo parto. Apesar de ter uma experiência positiva de parto, o pós parto não foi ideal. Em seu terceiro parto, Diana assegurou-se de que teria acompanhamento humanizado não só para parir, mas também no nascimento de sua filha.

Os motivos e benefícios que ela experienciou ao ter assistência de uma equipe humanizada são:

1 – liberdade para se alimentar

2 – liberdade para se movimentar

3 – assegurar presença de uma doula

4 – ser protagonista do próprio parto

5 – respeito ao plano de parto

6 – ausência de procedimentos protocolares que a OMS não recomenda

7 – ter a hora de ouro respeitada

8 – os procedimentos com o recém nascido foram flexíveis

9 – recuperação rápida após parir

10 – o empoderamento adquirido para o parto a deixou tranquila para exercer sua maternagem

Depoimento: Diana Loureiro

Realização: ReHuNa

Apoio: ECOS UnB e Rádio Web Saúde UnB

View this post on Instagram

Parto humanizado, por que? Diana sofreu inúmeras violências durante o parto de sua primeira filha. Essa vivência traumática a fez buscar informações para seu segundo parto. Apesar de ter uma experiência positiva de parto, o pós parto não foi ideal. Em seu terceiro parto, Diana assegurou-se de que teria acompanhamento humanizado não só para parir, mas também no nascimento de sua filha. Os motivos e benefícios que ela experienciou ao ter assistência de uma equipe humanizada são: 1 – liberdade para se alimentar 2 – liberdade para se movimentar 3 – assegurar presença de uma doula 4 – ser protagonista do próprio parto 5 – respeito ao plano de parto 6 – ausência de procedimentos protocolares que a OMS não recomenda 7 – ter a hora de ouro respeitada 8 – os procedimentos com o recém nascido foram flexíveis 9 – recuperação rápida após parir 10 – o empoderamento adquirido para o parto a deixou tranquila para exercer sua maternagem Depoimento: Diana Loureiro Realização: ReHuNa Apoio: ECOS UnB e Rádio Web Saúde UnB #estáemsuasmãos #desnecesareanao #16diaspelofimdaviolênciacontramulheres #rehuna #cesareadesnecessaria #violencianaatencaoobstetrica #partodomiciliar #partohumanizado

A post shared by ReHuNa (@rehunabrasil) on