Characteristics and Outcomes of Pregnant Women Admitted to Hospital With Confirmed SARS-CoV-2 Infection in UK: National Population Based Cohort Study

Acesse o original: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32513659/

Characteristics and Outcomes of Pregnant Women Admitted to Hospital With Confirmed SARS-CoV-2 Infection in UK: National Population Based Cohort Study

Affiliations

Free PMC article

Abstract

Objectives: To describe a national cohort of pregnant women admitted to hospital with severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) infection in the UK, identify factors associated with infection, and describe outcomes, including transmission of infection, for mothers and infants.

Design: Prospective national population based cohort study using the UK Obstetric Surveillance System (UKOSS).

Setting: All 194 obstetric units in the UK.

Participants: 427 pregnant women admitted to hospital with confirmed SARS-CoV-2 infection between 1 March 2020 and 14 April 2020.

Main outcome measures: Incidence of maternal hospital admission and infant infection. Rates of maternal death, level 3 critical care unit admission, fetal loss, caesarean birth, preterm birth, stillbirth, early neonatal death, and neonatal unit admission.

Results: The estimated incidence of admission to hospital with confirmed SARS-CoV-2 infection in pregnancy was 4.9 (95% confidence interval 4.5 to 5.4) per 1000 maternities. 233 (56%) pregnant women admitted to hospital with SARS-CoV-2 infection in pregnancy were from black or other ethnic minority groups, 281 (69%) were overweight or obese, 175 (41%) were aged 35 or over, and 145 (34%) had pre-existing comorbidities. 266 (62%) women gave birth or had a pregnancy loss; 196 (73%) gave birth at term. Forty one (10%) women admitted to hospital needed respiratory support, and five (1%) women died. Twelve (5%) of 265 infants tested positive for SARS-CoV-2 RNA, six of them within the first 12 hours after birth.

Conclusions: Most pregnant women admitted to hospital with SARS-CoV-2 infection were in the late second or third trimester, supporting guidance for continued social distancing measures in later pregnancy. Most had good outcomes, and transmission of SARS-CoV-2 to infants was uncommon. The high proportion of women from black or minority ethnic groups admitted with infection needs urgent investigation and explanation.

Study registration: ISRCTN 40092247.

Preeclampsia-like Syndrome Induced by Severe COVID-19: A Prospective Observational Study

Preeclampsia-like Syndrome Induced by Severe COVID-19: A Prospective Observational Study

Abstract

Objectives: To investigate the incidence of clinical, ultrasonographic and biochemical findings related to preeclampsia (PE) in pregnancies with COVID-19, and to assess their accuracy to differentiate between PE and the PE-like features associated with COVID-19.

Design: A prospective, observational study.

Setting: Tertiary referral hospital.

Participants: Singleton pregnancies with COVID-19 at >20+0 weeks.

Methods: 42 consecutive pregnancies were recruited and classified into two groups: severe and nonsevere COVID-19, according to the occurrence of severe pneumonia. Uterine artery pulsatility index (UtAPI) and angiogenic factors (soluble fms-like tyrosine kinase-1/placental growth factor [sFlt-1/PlGF]) were assessed in women with suspected PE.

Main outcome measures: Incidence of signs and symptoms related to PE, such as hypertension, proteinuria, thrombocytopenia, elevated liver enzymes, abnormal UtAPI and increased sFlt-1/PlGF.

Results: 34 cases were classified as nonsevere and 8 as severe COVID-19. Six (14.3%) women presented signs and symptoms of PE, all six being among the severe COVID-19 cases (75.0%). However, abnormal sFlt-1/PlGF and UtAPI could only be demonstrated in one case. Two cases remained pregnant after recovery from severe pneumonia and had a spontaneous resolution of the PE-like syndrome.

Conclusions: Pregnant women with severe COVID-19 can develop a PE-like syndrome that might be distinguished from actual PE by sFlt-1/PlGF, LDH and UtAPI assessment. Health care providers should be aware of its existence and monitor pregnancies with suspected preeclampsia with caution.

Keywords: COVID-19; PlGF; SARS; SARS-CoV-2; angiogenic factors; preeclampsia; preeclampsia-like syndrome; pregnancy; sFlt-1.

Association Between Mode of Delivery Among Pregnant Women With COVID-19 and Maternal and Neonatal Outcomes in Spain

Publicado originalmente no JAMA Network. Acesse o original (em inglês)
JAMA. Published online June 8, 2020. doi:10.1001/jama.2020.10125
Data from China found severe complications in 8% of pregnant women with coronavirus disease 2019 (COVID-19).1 However, the high rate of cesarean deliveries (>90%) in Chinese reports is concerning,2 and whether mode of delivery is associated with maternal complications or neonatal transmission is unknown.3 We assessed births to women with COVID-19 by mode of delivery.

Caring for Women Who Are Planning a Pregnancy, Pregnant, or Postpartum During the COVID-19 Pandemic

Caring for Women Who Are Planning a Pregnancy, Pregnant, or Postpartum During the COVID-19 Pandemic

JAMA. Published online June 5, 2020. doi:10.1001/jama.2020.8883

Acesse o original
AB – Since its recognition in China in December 2019, coronavirus disease 2019 (COVID-19), caused by severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2), has rapidly spread throughout the world and become a pandemic. Although considerable data on COVID-19 are available, much remains to be learned about its effects on pregnant women and newborns.No data are currently available to assess whether pregnant women are more susceptible to COVID-19. Pregnant women are at risk for severe disease associated with other respiratory illnesses (eg, 2009 H1N1 influenza), but thus far, pregnant women with COVID-19 do not appear to be at increased risk for severe disease compared with the general population. Data from China showed that among 147 pregnant women, 8% had severe disease and 1% had critical illness, which are lower rates than observed in the nonpregnant population (14% with severe disease and 6% with critical illness). Case series from China consisting primarily of women with third-trimester infection have shown that clinical findings in pregnant women are similar to those seen in the general population. Conversely, a small Swedish study reported that pregnant and postpartum women with COVID-19 were 5 times more likely to be admitted to an intensive care unit compared with nonpregnant women of similar age.

Provider: Silverchair
Database: AmericanMedicalAssociation

Pesquisa inédita da UFC revela níveis elevados de estresse e risco de depressão em gestantes no distanciamento

Publicado originalmente no Portal da UFC – Universidade Federal do Ceará

Imagem: Mais de mil mulheres grávidas em isolamento social participaram da pesquisa (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

Pesquisa inédita da Universidade Federal do Ceará revelou níveis elevados de estresse e risco de depressão em mulheres grávidas de Fortaleza, no período de distanciamento social decorrente da COVID-19. Coordenado pela Profª Márcia Machado, da Faculdade de Medicina da UFC, o estudo mostrou que cerca de 43% das gestantes demonstram medo, ansiedade e transtornos do comportamento, índice considerado alto, se comparado com a média de 25% detectada em pesquisas realizadas em outros períodos, a exemplo da Pesquisa de Saúde Materno-Infantil no Ceará/UFC (PESMIC).

O estudo “Gravidez durante a COVID-19 em Fortaleza, Ceará: percepção materna sobre saúde, expectativas, medo e os cuidados prestados ao filho”, realizado de forma on-line durante o período de distanciamento, contou com a participação de 1.041 mulheres, abrangendo todas as regionais administrativas da Capital. A pesquisa utilizou como parâmetros duas escalas sobre saúde mental (SRQ e “Fear of COVID-19”).

As gestantes responderam aos questionários enviados pelo WhatsApp e outras redes sociais, com apoio de lideranças comunitárias e de serviços do Estado e do Município. Resultados preliminares apontam que 84,3% sentem desconforto ao pensar na COVID-19; 74,6% sentem-se assustadas ao pensar no coronavírus; 18,7% não conseguem dormir; 75,3% sentem-se nervosas ao assistir a notícias na televisão; 49,8% têm chorado mais do que o costume; e 57,9% têm se sentido triste ultimamente.

Das 1.041 mulheres, 335 afirmaram ter filhos de 1 a 5 anos completos. Perguntadas sobre como agiram com os filhos nos 15 dias anteriores ao preenchimento do questionário, 18,8% disseram ter batido no filho; 70,6% ter gritado; 20,1% ter puxado a orelha, dado tapa ou batido na mão. Para a Profª Márcia Machado, os dados são reveladores do nível de estresse no período de isolamento, se comparados com outros estudos que costumam avaliar a saúde mental de grávidas em períodos “normais”.

Imagem: A Profª Márcia Machado, da Faculdade de Medicina, é a coordenadora da pesquisa (Foto: Viktor Braga/UFC)

A pesquisadora chama a atenção para o fato de a maioria das respondentes ser casada (ou viver em união estável) e ter pelo menos o ensino médio concluído: “Se essa população que tem níveis de escolaridade maior e vive com um companheiro apresentou nível elevado de estresse, podemos imaginar como estão as mulheres que vivem em situação de extrema pobreza“, reflete a Profª Márcia.

Transtornos psicológicos ou psiquiátricos na gravidez podem trazer consequências para a saúde da mulher e do bebê. Segundo a pesquisadora, há relação entre esses fatores e a maior incidência de partos prematuros ou de crianças nascidas com baixo peso, por exemplo.

Além disso, o nível de estresse pode acarretar maiores níveis de agressividade com filhos e parceiros, o que também prejudica o desenvolvimento infantil. Márcia aponta, portanto, para a necessidade da criação de protocolos especiais de atenção básica que garantam o acompanhamento de mulheres durante a gravidez e no pós-parto, neste período de pandemia.

Os dados completos da pesquisa deverão, em breve, ser publicados em periódicos nacionais e internacionais. Segundo a Profª Márcia, não há estudos semelhantes concluídos sobre essa situação específica de mulheres grávidas durante o distanciamento social. A proposta é ampliar essa pesquisa e acompanhar aquelas mulheres e seus bebês após o parto, por um período de três anos.

A pesquisa foi financiada pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e contou com a participação de estudantes de pós-graduação da UFC (Camila Machado de Aquino, Jordan Prazeres Freitas, Francisco Ariclene Oliveira, Edgar Sampaio); de professores dos departamentos de Saúde Pública e de Saúde Materno-Infantil da UFC (Luciano Lima Correia, Hermano Lima Rocha, Herlânio Costa Carvalho); da presidente da Associação de Ginecologistas e Obstetras do Ceará, Liduina de Albuquerque Rocha de Sousa; da professora da Universidade de Ribeirão Preto Elisa Altafim; e da professora da Harvard T.H Chan School of Public Health, Marcia C. Castro.

PALESTRA NOS EU2019 – A Profª Marcia Machado, coordenadora da pesquisa, será a mediadora da palestra magna dos Encontros Universitários 2019, nesta quarta-feira (20), às 10h. A palestra “Pandemia e a saúde coletiva” será realizada pela Profª Marcia C Castro, da Harvard T.H. Chan School of Public Health, membra do Programa de Estudos Brasileiros no Centro David Rockefeller para Estudos Latino-Americanos e membra do comitê de direção do Centro de Análises Geográficas.

OS EU2019 ocorrerão em formato virtual. O link para a transmissão ao vivo da palestra magna será disponibilizado em breve.

Fonte: Profª Márcia Machado, do Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da UFC – e-mail: marciamachadoufc@gmail.com

Gravidez, nascimento e a pandemia de COVID-19 nos Estados Unidos

Acesse o original (em inglês)

Pregnancy, Birth and the COVID-19 Pandemic in the United States

Published online: 14 May 2020

How quickly and in what ways are US maternity care practices changing due to the COVID-19 pandemic? Our data indicate that partners and doulas are being excluded from birthing rooms leaving mothers unsupported, while providers face lack of protective equipment and unclear guidelines. We investigate rapidly shifting protocols for in- and out-of-hospital births and the decision making behind them. We ask, will COVID-19 cause women, families, and providers to look at birthing in a different light? And will this pandemic offer a testing ground for future policy changes to generate effective maternity care amidst pandemics and other types of disasters?

COVID-19: Atenção às Gestantes

 

Leia no site Original

Nota Técnica Nº 12/2020-COSMU/CGCIVI/DAPES/SAPS/MS – Infecção COVID-19 e os riscos às mulheres no ciclo gravídico-puerperal
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação-Geral de Ciclos da Vida. Coordenação da Saúde da Mulher. Nota Técnica Nº 12/2020-COSMU/CGCIVI/DAPES/SAPS/M.  Infecção COVID-19 e os riscos às mulheres no ciclo gravídico-puerperal. Abr. 2020

Cique aqui

Coronavírus: grávidas e puérperas na pandemia

Grávidas e puérperas são grupo de risco 
Leia a Matéria Original

Muitos questionamentos e emoções envolvem a chegada de uma nova vida. Do descobrimento da gravidez até o momento do parto, as incertezas e a insegurança mexem com a cabeça de mães e pais. O período após o nascimento do bebê também não é diferente. Nos últimos meses, uma nova preocupação entrou na lista: o coronavírus.

Em nota à imprensa, o Ministério da Saúde informou sobre uma mudança de protocolo que inclui grávidas e puérperas no grupo de risco para a COVID-19. Esse novo status exige maior atenção nos cuidados individuais e coletivos, já que essas mulheres podem apresentar casos mais graves da doença. Marcus Renato de Carvalho, professor da Faculdade de Medicina da UFRJ e pediatra, afirma que o momento deve ser de observação e cuidados. “É importante que elas tomem ainda mais precauções para se proteger e relatem possíveis sintomas para seus provedores de cuidados de saúde”, disse, completando que o distanciamento também é uma das formas de proteção para as gestantes.

Estas são algumas das indicações para esse público: trabalho remoto ou  afastamento, principalmente para trabalhadoras da saúde; apenas consultas e exames essenciais do pré-natal, com utilização da teleconsulta sempre que possível; ausência de visitas durante a gestação e o pós-parto; atenção redobrada à higiene dos cuidadores da mulher e do bebê.

O momento do parto também exige cuidados redobrados. Procedimentos dispensáveis, como cesáreas eletivas e indução desnecessária, devem ser evitados para que a parturiente não precise ficar mais tempo no hospital. Carvalho afirma que é preciso avaliar a presença do acompanhante, que não deve apresentar sintomas nem ser dos grupos de risco, minimizando assim as chances de infecção. “Mas isso não quer dizer que a presença do acompanhante deve ser negada”, ressalta.

Aleitamento é necessário

Não há nenhuma evidência científica que aponte o leite materno como uma possível fonte de transmissão da doença. O professor reitera que a orientação do MS é de que a amamentação não deve ser suspensa em casos de a mãe ter a suspeita de infecção pelo novo coronavírus, mas que é preciso seguir um protocolo de cuidados mais rígido. O uso de máscara é indispensável nesses casos, assim como a higienização das mãos antes e depois do aleitamento.

“Salvo alguma intercorrência que exija a separação do binômio, como, por exemplo, o agravamento das condições de saúde maternas, é perfeitamente possível que mãe e filho permaneçam em sistema de alojamento conjunto na maternidade até a alta hospitalar”, explica.

Isolamento não é abandono

Um dos momentos mais delicados para uma nova família é o puerpério. Conhecido como “blues puerperal”, o período que se segue ao parto é, muitas vezes, solitário. Segundo Carvalho, alguns casos podem ser o início de um quadro de depressão pós-parto. “O apoio da família e a participação do companheiro ou companheira são essenciais para que a mulher sinta-se segura nesse momento”.

A rede de apoio, essencial nessa fase, precisa continuar dando suporte à nova família, e as novas tecnologias podem ajudar, seja por vídeo, ligações ou mensagens. “E, também, não deve ser abandonada pelo obstetra, pediatra, enfermeira obstetra, doula, psicóloga ou alguém da equipe perinatal com quem ela tenha feito uma melhor conexão ou vínculo afetivo”, declara.

O professor lembra também que, mais do que nunca, os pais precisam assumir seus papéis na criação dos filhos, valendo-se de suas licenças-paternidades e antecipação de férias para dividirem as tarefas de maneira justa, cuidando dos afazeres domésticos, do bebê e, claro, da mãe.