Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

 

Texto de Melania Amorim

@melania44 

・・・
COVID-19 e morte fetal no primeiro trimestre
A doença por coronavírus 2019 (COVID-19) é causada pela infecção do trato respiratório por SARS-CoV-2, que sobrevive nos tecidos durante o curso clínico da infecção, mas há evidências limitadas de infecção placentária e transmissão vertical de SARS-CoV-2 . O impacto da COVID-19 na gravidez de primeiro trimestre permanece pouco compreendido. Além disso, não se sabe por quanto tempo o SARS-CoV-2 pode sobreviver na placenta.
Aqui, relatamos o caso de uma mulher grávida no primeiro trimestre que apresentou resultado positivo para SARS-CoV-2 com 8 semanas de gestação, embora seu curso clínico tenha sido assintomático. Na 13ª semana de gestação, seu esfregaço de garganta testou negativo para SARS-CoV-2, mas o RNA viral foi detectado na placenta e as proteínas Spike (S) (S1 e S2) foram imunolocalizadas no citotrofoblasto e células sincitiotrofoblastas das vilosidades placentárias.
Histologicamente, as vilosidades eram geralmente avasculares com deposição de fibrina peri-vilositária e em algumas áreas a camada de sincitiotrofoblasto parecia lisada. A decídua também apresentava deposição de fibrina com extensa infiltração leucocitária sugestiva de inflamação.
O SARS-CoV-2 cruzou a barreira placentária, pois o RNA viral foi detectado no líquido amniótico e as proteínas S foram detectadas na membrana fetal. A ultrassonografia revelou edema subcutâneo extenso com derrame pleural sugestivo de hidropisia fetal e a ausência de atividade cardíaca indicou morte fetal.
Este é o primeiro estudo a fornecer evidências concretas de infecção placentária persistente de SARS-CoV-2 e sua transmissão congênita associada com hidropisia fetal e morte fetal intrauterina no início da gravidez.

Leia Também