HIDROXICLOROQUINA E CLOROQUINA PARA COVID-19. REVISÃO SISTEMÁTICA RÁPIDA

Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Leia a Matéria Original em Português

Hidroxicloroquina e cloroquina para COVID-19. Revisão sistemática rápida.

Esta revisão foi conduzida e está sendo atualizada pelo Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde do Hospital Sírio-Libanês (NATS-HSL) em colaboração com a Disciplina de Economia e Gestão em Saúde, Unifesp. Os autores concederam permissão para hospedagem do texto no blog da Oxford-Brazil EBM Alliance.
A revisão rápida (rapid review methodology) mapeou e avaliou criticamente as evidências existentes sobre o uso de hidroxicloroquina e cloroquina para  COVID-19.
Nesta 5ª versão, as buscas foram conduzidas em 16 de abril de 2020 e serão atualizadas pela mesma equipe e disponibilizadas aqui.
Principais mudanças em relação a versão anterior:
  • Inclusão de mais um ensaio clínico randomizado totalizando 4 estudos com 294 pacientes hospitalizados.
  • Inclusão de mais 29 estudos clínicos comparativos em andamento, totalizando 94 estudos programados para incluir mais de 170.000 participantes.
  • A única metanálise possível (considerando disponibilidade de dados e homogeneidade dos estudos) não identificou benefício da hidroxicloroquina quanto à negativação da carga viral por PCR após sete dias (RR: 0,94; IC95%: 0,78 a 1,13; dois estudos, 180 participantes; I2= 0%; muito baixa certeza na evidência).
  • As conclusões da versão anterior desta revisão foram mantidas.

Com base nos resultados dos quatro estudos comparativos identificados nesta revisão, a eficácia e a segurança da hidroxicloroquina e da cloroquina em pacientes com COVID-19 ainda são incertas. Espera-se que os resultados dos 94 estudos em andamento possam modificar esta conclusão.

 

Versão atualizada 19/04/2020RS_rapida_hidroxicloroquina_COVID19_atualizacao_19_04_20.pdf

 

Versão anterior 10/04/2020:

Versão anterior 03/04/2020:

Versão anterior 27/03/2020:

Versão anterior 20/03/2020:

 


Sobre os autores:

Rachel Riera é professora de Medicina Baseada em Evidências na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ela está envolvida com o ensino da MBE nos últimos 18 anos e é co-fundadora da Oxford-Brazil EBM Alliance. Atualmente coordena o Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0591884301805680

Rafael Leite Pacheco é professor do Centro Universitário São Camilo, e pesquisador da Disciplina de Economia e Gestão em Saúde da Universidade Federal de São Paulo e do Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde da SPDM. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5220382157272897

 

Leia Também