Maternidades de BH não seguem normas que garantem autonomia na hora de parir

Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

No entanto, essa justificativa é criticada por especialistas, que apontam que as maternidades em Belo Horizonte sofrem com superlotação e ainda apresentam um modelo assistencial que não segue as normas do Ministério da Saúde. Segundo a pediatra Sônia Lansky, da Rede Nacional pela Humanização do Parto e do Nascimento (Rehuna), a recomendação é que uma maternidade tenha, no máximo, uma taxa de ocupação em torno de 85% para não diminuir a qualidade da assistência às mulheres. Ela também pondera que a superlotação piora, inclusive, as condições de trabalho dos profissionais da saúde.

Link

Leia Também