“É a violência da recusa do reconhecimento da mulher como alguém capaz de encarar decisões sobre o próprio corpo, sem você explicar direito do que se trata” – Daphne Rattner, presidente da Rede pela Humanização do Parto e Nascimento (Rehuna) e professora da Universidade de Brasília (UnB).

Link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *