Casal com coronavírus tem bebê saudável em parto natural, em BH

Do G1


Casal com Covid-19 teve bebê em Belo Horizonte  — Foto: Hemmerson Magioni / Divulgação
Casal com Covid-19 teve bebê em Belo Horizonte — Foto: Hemmerson Magioni / Divulgação

A superintendente de Recursos Humanos Virgínia Silame e o protético Vitor Paradela passaram os últimos meses apreensivos para a chegada da Lavínia, a segunda filha do casal. O receio não era por menos: o coronavírus começava a avançar pelo Brasil e por Minas Gerais. Mesmo mantendo o isolamento os dois foram infectados, simultaneamente, no final da gestação. A filha nasceu saudável, no último sábado (6).

O casal contraiu a Covid-19 quando Virgínia já estava com 36 semanas de gestação. “É uma coisa que cansa. É uma doença que deixa a gente muito cansada. Baqueia mesmo”, falou Virgínia, que teve sintomas mais leves e não precisou ser hospitalizada. O marido também teve quadro leve e o filho, de apenas dois anos, também testou positivo, apesar de ter ficado assintomático.

Virgínia Silame, que testou positivo para coronavírus, deu à luz em BH — Foto: Hemmerson Magioni / Divulgação
Virgínia Silame, que testou positivo para coronavírus, deu à luz em BH — Foto: Hemmerson Magioni / Divulgação

O parto foi natural. Para evitar ambiente hospitalar, Virgínia permaneceu o maior tempo possível em casa, onde era acompanhada e monitorada pela equipe responsável pelo parto.

“Comecei a ter contração leve na sexta à noite. Cheguei no hospital às seis da noite. E às 19h27, ela nasceu. (…) Quem me visse na quinta, não imaginava que eu teria no sábado. Foi um parto natural e foi muito rápido”, contou.

Lavínia nasceu pesando 3 quilos e passa bem. Mãe e filha já tiveram em alta e os cuidados, em casa, permanecem intensos para evitar a contaminação da bebê. “Uso máscara o tempo todo, lavo as mãos o tempo todo. Mas estou amamentando normalmente. E visitas, de jeito nenhum”, falou.

Association Between Mode of Delivery Among Pregnant Women With COVID-19 and Maternal and Neonatal Outcomes in Spain

Publicado originalmente no JAMA Network. Acesse o original (em inglês)
JAMA. Published online June 8, 2020. doi:10.1001/jama.2020.10125
Data from China found severe complications in 8% of pregnant women with coronavirus disease 2019 (COVID-19).1 However, the high rate of cesarean deliveries (>90%) in Chinese reports is concerning,2 and whether mode of delivery is associated with maternal complications or neonatal transmission is unknown.3 We assessed births to women with COVID-19 by mode of delivery.

A FEBRASGO reforça que a prestação continuada de serviços essenciais de saúde sexual e reprodutiva das mulheres deve ser uma prioridade

Publicado originalmente no site da FEBRASGO

 

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia – FEBRASGO atua no âmbito científico e profissional, congregando e representando os 17 mil médicos gineco-obstetras brasileiros. Através da promoção da educação permanente através de informações confiáveis baseadas em evidências científicas e diretrizes, a FEBRASGO valoriza e se dedica à saúde da mulher.

Reforçamos que, mesmo no atual período de pandemia da COVID-19, devem ser considerados como serviços essenciais e ininterruptos a nossa população, os serviços de atenção à violência sexual, o amplo acesso à contracepção, o direito e acesso à saúde sexual e saúde reprodutiva e o abortamento seguro para os casos previstos em lei, e a prevenção e o tratamento de infecções sexualmente transmissíveis, incluindo diagnóstico e tratamento para HIV/AIDS.

A FEBRASGO entende que somente assim impactaremos positivamente na redução da morbimortalidade materna, na saúde feminina e na melhoria do nível de qualidade de vida das mulheres brasileiras.