Nesse recente estudo (PRIORITY), disponível na página neonatal www.paulomargotto.com.br, com uma coorte de 263 bebês, incluindo 179 e 84, respectivamente, nascidos de mães com teste positivo ou negativo para SARS CoV-2, mostrou que o risco de infecção pelo bebê foi de 1,1% (e os sintomas foram mínimos). Sem complicações nas 6-8semanas. Na discussão desse estudo trouxemos informações de uma das maiores coorte dos Estados Unidos de neonatos nascidos de mães com teste positivo para SARS-CoV-2 no momento do parto e que foram subsequentemente acompanhadas com testes seriados e clinicamente até 1 mês de vida. Oitenta e dois neonatos (68%) completaram o acompanhamento no dia 5–7 de vida. Dos 82 neonatos, 68 (83%) ficaram com as mães. Todas as mães foram autorizadas a amamentar; com 5 a 7 dias de vida, 64 (78%) ainda estavam amamentando. 79 (96%) de 82 neonatos tiveram uma repetição da PCR em 5–7 dias de vida, que foi negativa em todos; 72 (88%) neonatos também foram testados com 14 dias de vida e nenhum foi positivo. Nenhum dos neonatos apresentou sintomas de COVID-19. Assim, o o Alojamento Conjunto com a mãe e a amamentação são seguros se associados à educação adequada dos pais sobre práticas seguras de controle de infecção, como o uso de máscaras cirúrgicas em todos os momentos e a higienização frequente das mãos.

 

Abstract

Infant outcomes after maternal SARS-CoV-2 infection are not well-described. In a prospective U.S. registry of 263 infants born to mothers testing positive or negative for SARS-CoV-2, SARS-CoV-2 status was not associated with birth weight, difficulty breathing, apnea or upper or lower respiratory infection through 8 weeks of age.

Keywords: COVID-19; Newborn; Pregnancy; SARS-CoV-2.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *