MPT: NOTA TÉCNICA 01/2021 DO GT NACIONAL COVID-19

*MPT: trabalhadoras gestantes*
O Ministério Público do Trabalho (MPT) publicou recomendação às empresas, sindicatos e órgãos da administração pública que adotem diretrizes para preservar a saúde de trabalhadoras gestantes durante a segunda onda da pandemia do novo coronavírus.
No documento, o MPT ressalta a existência de estudo que mostra aumento da morbimortalidade de gestantes e puérperas por Covid-19 no Brasil, indicando que o país responde por 77% das mortes de mulheres nesses casos em todo o mundo.
Além disso, segundo a nota técnica, “durante o período gravídico puerperal, ocorrem alterações no organismo da mulher para adaptação à gestação, ao processo de parto e ao retorno ao corpo de antes da gestação. As modificações fazem com que a mulher tenha uma imunodeficiência relativa, além de diversas alterações no sistema respiratório e circulatório, entre outros. Assim, durante a gestação mulheres estão mais propensas a complicações por infecções, especialmente àquelas causadas por vírus e fungos”.
O MPT lista sete medidas de proteção que devem ser aplicadas às gestantes. Entre elas estão garantir, sempre que possível, o direito de elas realizarem trabalho remoto. A nota técnica recomenda ainda que as gestantes sejam dispensadas do local de trabalho, com remuneração assegurada, quando as atividades não forem compatíveis com a modalidade home office.
Por fim, orienta que seja aceito o afastamento dessas trabalhadoras mediante apresentação de atestado médico que confirme a gravidez, sendo vedada a exigência de atestados médicos contendo Código Internacional de Doenças (CID), uma vez que a gestantes integram grupo de risco.
_*Confira a Nota Técnica*_

Choque hiperinflamatório em crianças durante a pandemia de COVID-19

O South Thames Retrieval Service, em Londres, Reino Unido, fornece apoio e recuperação em terapia intensiva pediátrica a 2 milhões de crianças no sudeste da Inglaterra. Durante um período de 10 dias, em meados de abril de 2020, foi observado um grupo sem precedentes de oito crianças com choque hiperinflamatório, mostrando características semelhantes à doença atípica de Kawasaki, síndrome de choque da doença de Kawasaki, ou síndrome do choque tóxico (o número típico é de uma ou duas crianças por semana). Esse cluster de casos formou a base de um alerta nacional.

Acesse o artigo original no The Lancet

Hyperinflammatory shock in children during COVID-19 pandemic

Published: May 07, 2020  DOI:https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31094-1

Doula fala sobre protagonismo feminino ao dar à luz e defende parto mais natural

A importância da doula é a garantia do bem estar, respeito e calma na hora da mulher parir seu bebê. Gosto muito de uma citação da Daphne Rattner, professora da área de saúde coletiva da Universidade de Brasília e coordenadora executiva da Rede pela Humanização do Parto e Nascimento, que diz que alguns obstetras com muito tempo de profissão adotam a metáfora de ‘motor, objeto, trajeto’ para as etapas de um parto. O motor é o útero, o objeto é o bebê e o trajeto, o canal vaginal por onde a criança sairá. Mas, na verdade, quem está trabalhando ali, naquela hora, também é humano, não se pode pensar assim. As doulas mudam isso desde o pré-parto até os primeiros momentos da amamentação.

Link